Sobre Pastor Flávio Gabriel

Tem 46 anos, casado, com ministério pastoral há 25 anos, Bacharel em Teologia, Pastor na Igreja Evangélica Vida com Vida em Nilópolis, RJ, Brasil, é Professor da EBD e da Faculdade de Teologia CTM-Transformar, fundador e Professor do Seminário de Escatologia Bereiano e autor dos Livros: Igrejas Evangélicas que se Tornam Seitas Perigosas, OVNIS ETS E A BÍBLIA e Como Não Amar Esta Mulher?

2 Comentários

  1. André soares

    A pesquisa até parece interessante. Mas sinto muito dizero que existe erros no hebraico.

    O Tetragrama — o modo como o nome divino é escrito em hebraico
    O nome de Deus em letras hebraicas

    No hebraico original, idioma em que grande parte da Bíblia foi escrita, aparece ali um nome pessoal ímpar. É escrito em letras hebraicas: יהוה (YHWH). Em português, a tradução comum desse nome é “Jeová”. Será que esse nome aparece em apenas um versículo bíblico? Não. Ele aparece no texto original das Escrituras Hebraicas cerca de 7 mil vezes!

    Qual é a importância do nome de Deus? Considere a oração-modelo, ensinada por Jesus Cristo. Ela começa assim: “Pai nosso, que estás nos céus, santificado seja o teu nome.” (Mateus 6:9) Mais tarde, Jesus orou a Deus: “Pai, glorifica o teu nome.” Em resposta, Deus falou do céu: “Eu já o glorifiquei e o glorificarei de novo.” (João 12:28) Obviamente, o nome de Deus é de máxima importância. Por que, então, alguns tradutores omitiram esse nome de suas traduções da Bíblia e o substituíram por títulos?

    Parece haver duas razões principais. A primeira é que muitos dizem que o nome não deve ser usado porque sua pronúncia original é desconhecida hoje em dia. O hebraico antigo era escrito sem vogais. Assim, ninguém hoje pode dizer com certeza como as pessoas nos tempos bíblicos pronunciavam o nome YHWH. Mas será que isso deve nos impedir de usar o nome de Deus? Nos tempos bíblicos, o nome Jesus talvez fosse pronunciado Yeshua ou, possivelmente, Yehoshua — ninguém sabe ao certo. No entanto, pessoas no mundo inteiro usam diferentes formas do nome Jesus, pronunciando-o do modo costumeiro no seu idioma. Elas não deixam de usar o nome só porque não sabem como ele era pronunciado no primeiro século. De modo similar, se você viajar para outro país, é bem provável que descubra que seu próprio nome soa um tanto diferente em outro idioma. Portanto, não saber ao certo como o nome de Deus era pronunciado na antiguidade não é motivo para não usá-lo.

    Existe mais detalhes. Veja.
    Em português, as quatro letras do Tetragrama (יהוה) são representadas pelas consoantes YHWH. O Tetragrama não tinha vogais, assim como todas as palavras escritas no hebraico antigo. Na época em que o hebraico antigo era o idioma do dia a dia, era fácil os leitores saberem que vogais deviam ser usadas.

    Cerca de mil anos após as Escrituras Hebraicas terem sido completadas, eruditos judeus desenvolveram um sistema de sinais ou pontos que indicavam as vogais que deveriam ser usadas na leitura do idioma hebraico. Mas, naquela época, muitos judeus tinham a ideia supersticiosa de que era errado falar em voz alta o nome de Deus e por isso pronunciavam outras expressões em seu lugar. Assim, ao copiarem o Tetragrama, parece que eles combinavam as vogais dessas expressões com as quatro consoantes que representam o nome divino. É por esse motivo que os manuscritos com esses sinais vocálicos não ajudam a determinar como o nome de Deus era originalmente pronunciado em hebraico. Alguns acham que era pronunciado “Iavé” ou “Javé”, enquanto outros sugerem outras possibilidades. Um Rolo do Mar Morto que contém um trecho, em grego, de Levítico translitera o nome divino como Iao. Além dessa forma, antigos escritores gregos também sugerem a pronúncia Iae, Iabé e Iaoué. Mas não há motivos para sermos dogmáticos. Simplesmente não sabemos como os servos de Deus no passado pronunciavam esse nome em hebraico. (Gênesis 13:4; Êxodo 3:15) O que sabemos é o seguinte: Deus usou seu nome muitas vezes ao se comunicar com seus servos, eles também o usavam ao se dirigir a ele e esse nome era usado sem restrição quando eles conversavam com outros. — Êxodo 6:2; 1 Reis 8:23; Salmo 99:9.

    A primeira Bíblia em português, a versão Almeida, empregou milhares de vezes o nome de Deus na forma “JEHOVAH”, como pode ser visto na edição de 1693, reimpressa em 1870. A comissão tradutora da Versão Brasileira (1917) também decidiu usar a forma “Jehovah”, e na sua edição de 2010 a grafia foi atualizada para “Jeová”. A nota de rodapé de Êxodo 6:3 na tradução Matos Soares (oitava edição) declara: “O texto hebreu diz: ‘O meu nome Javé ou Jeová.’”

    Formas similares do nome divino também são encontradas em outros idiomas. Por exemplo, a primeira ocorrência, em inglês, do nome pessoal de Deus em uma Bíblia foi em 1530, na tradução do Pentateuco de William Tyndale. Ele usou a forma “Iehouah”. Com o tempo, o idioma sofreu mudanças, e a grafia do nome divino foi modernizada.

    Em sua obra Studies in the Psalms (Estudos dos Salmos), publicada em 1911, o respeitado erudito bíblico Joseph Bryant Rotherham usou o nome “Jehovah” em vez de “Yahweh”. Explicando o motivo, ele disse que queria empregar uma “forma do nome que fosse mais conhecida (e perfeitamente aceitável) aos leitores da Bíblia em geral”. Em sua obra Apostilas aos Dicionários Portugueses, de 1906, o filólogo e lexicógrafo português Gonçalves Viana declarou: “A forma Jeová, porém, já está tão usual, que seria pedantismo empregar Iavé, ou Iaué, a não ser em livros de pura filologia semítica ou de exegese bíblica.”

    Portanto, o significado do nome Jeová não se limita ao sentido transmitido pelo verbo relacionado encontrado em Êxodo 3:14, que diz: “Eu Me Tornarei O Que Eu Decidir Me Tornar”, ou “Eu Mostrarei Ser O Que Eu Mostrar Ser”. Essas palavras não descrevem o pleno sentido do nome de Deus. Na verdade, elas revelam apenas um aspecto da personalidade dele: o de se tornar o que for necessário, em cada circunstância, para cumprir seu propósito. Então, embora o nome Jeová inclua essa ideia, não está limitado ao que ele decide se tornar. O nome Jeová inclui também a ideia de que ele causa, ou faz acontecer, o que ele decidir em relação à sua criação e ao cumprimento de seu propósito.

    1. Pastor Flávio Gabriel

      Olá André, não sou erudito em hebraico me baseei por pesquisas de outros, por isso agradeço a sua correção e comentário que enriquece muito este artigo. Pois a principal mensagem deste estudo é justamente o fato de que os nomes soam e são pronunciados diferentes de acordo com cada idioma, e que Jesus não nos deixará de atender porque não sabemos pronunciar corretamente o seu nome no idioma original. Obrigado amado, graça e paz.

Comentários encerrados.